As produções autorais e as novas oportunidades na TV

O mercado audiovisual movimenta muitas pessoas e produções de muitos gêneros, com grandes e pequenos orçamentos e muita criatividade. Em meio às produções comerciais existem sempre muitas produções com características autorais, especialmente os curtas metragens. Muitos diretores criam trabalhos fantásticos com pequenos orçamentos e algumas produções conquistam grande reconhecimento.

Foi o que aconteceu recentemente com o curta “Beyond”, um filme de ficção científica totalmente independente produzido pelo roteirista e diretor Raphael Rogers. Ele contou com o seu computador pessoal e um orçamento de US$ 1.000, que pagou a locação da câmera Canon C100. Para este orçamento, ele contou com uma parceria forte: Bianca Malinowski operou a captação de som e atuou no filme!

img 002
Comparação entre a cena editada com After Effects e como ela foi captada originalmente

O filme despertou o interesse da SyFy Films, uma divisão da Universal Pictures, que comprou os direitos do curta e pretende produzir um longa metragem com o próprio Raphael Rogers como diretor. Assista Beyond:

Aqui no Brasil o mercado de produções autorais vive um momento interessante após a assinatura da Lei 12.485/11, que ficou conhecida por aqui como a “Lei da TV por assinatura”. A Lei prevê que os canais de TV por assinatura – que hoje alcançam quase 30% das casas – destinem no mínimo 3h30 minutos por semana do seu horário nobre para a exibição de produções nacionais. Metade deste material deverá ser produzido por produtoras independentes.

Isso tem feito com que os canais procurem novos conteúdos, o que também levou ao esforço das produtoras em gerar material para a conquista desse espaço de grande visibilidade. E a tendência é que este mercado aumente. A perspectiva é que em 2017, o TV paga alcance mais de 50% da população brasileira.

Fontes:

Filme de ficção científica feito por uma pessoa é vendido para Universal Pictures – Canon C100

TV por assinatura está presente em 28,1% das casas do país

LEI Nº 12.485, DE 12 DE SETEMBRO DE 2011

Ancine quer desenvolver mercados nacional e regional de programação

LEAVE A REPLY

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *